O que é o dente e para que ele serve?


O dente é um órgão de massa dura com tecidos calcificados, de coloração esbranquiçada, situados na cavidade bucal e acomodados nos ossos da maxila e da mandíbula, com formas variadas, se dispõem, um ao lado do outro, formando as arcadas dentárias.

Os dentes mais que os próprios ossos, formados como são por tecidos duros e mineralizados, aliás os mais duros do organismo, representam muitas vezes, os únicos vestígios de espécies animais extintas.

É através do estudo dos dentes e dos os sos que os paleontólogos podem estabelecer quais os animais que viveram em épocas passadas, e ainda, reconstituir as relações entre os animais viventes e os fósseis, para determinar as respectivas linhas filogenéticas.

Para os zoólogos e filósofos naturalistas os dentes são “’orgãos de combate, de ataque e defesa”, que ajudam na conservação da espécie. Segundo Darwin, a raça mais forte se conserva a perpetua-se graças a estas armas.

O dente é composto de dentina, polpa - popularmente chamada nervo - que pode ser entendida como o coração do dente e por tecidos acessórios de revestimento-
o esmalte e o cemento.

Os órgãos dentais são peças de um sistema complexo e de suma importância fisiológica que é o chamado Sistema Estomatognático cujas partes são representadas pela ossos da maxila e mandíbula, os músculos da face, língua, glândulas salivares, vasos sanguíneos. Este sistema realiza cinco importantes funções: sugar,deglutir,mastigar,respirar e falar.

Os dentes tem participação muito importante em todas elas principalmente na função mastigatória e na fonoarticulação (fala).

Os dentes representam os órgãos intermediários entre o meio exterior e o sistema digestivo, responsável por facilitar o processo físico e químico da mastigação. Físicos, pela ação de trituração que prepara o alimento colocando-o em condição de ser misturado e embebido na saliva, favorecendo a ação química dos enzimas digestivos e formando o bolo alimentar que, quando deglutido, completa a primeira etapa do processo digestivo.

Durante a fala, os dentes, a língua e os lábios formam um conjunto extremamente precioso, para a perfeita articulação dos fonemas.


As partes que se divide o dente

O dente está dividido em três partes: a coroa, o colo e a raiz. A coroa é a parte visível do dente, o colo corresponde a região de transição entre coroa e raiz, aquela porção do dente onde se encontra o contorno gengival e raiz responsável pela implantação do dente no osso, em uma cavidade denominada alvéolo dental.
A raiz e o colo não tem a proteção do esmalte, motivo pelo qual quando essas regiões ficam expostas, sem cobertura óssea ou gengival, respectivamente, são sensíveis a estímulos externos como frio e calor,que geram a dor.

O alvéolo dental abriga a raiz do dente, que se liga ao osso através de um acolchoado de fibras, que tem o nome de ligamentos periodontais. Esses ligamentos funcionam como verdadeiros amortecedores das forças que atuam sobre os dentes no ato da mastigação.


A composição do dente

O dente é constituído por esmalte, dentina, cemento e polpa.

- Esmalte: é o segundo mineral mais duro da natureza. A vencê-lo, apenas o diamante. O esmalte é transparente e recobre a dentina na região da coroa.

- Dentina: é formada por uma estrutura menos mineralizada que o esmalte, tem a cor amarelada e é responsável pela coloração do dente. Cabe a ela a proteção da polpa, na porção da coroa e da raiz.

- Cemento: é uma camada que reveste a raiz do dente.

- Polpa: é a vida do dente. É conhecida popularmente por ‘nervo’. Composta por vasos sangüíneos, que nutrem o dente, e por nervos, que respondem pela sua sensibilidade, é ela que reage a estímulos, transmitindo a dor. Se, porventura, um dia a polpa morre, com ela também o dente perde a vida. Nesse momento, faz-se necessário o tratamento de canal, que tem a função de remover a polpa morta (endodontia).


Cada dente tem sua função em relação aos alimentos


- Incisivos: cortam.
- Caninos: rasgam ou perfuram.
- Pré-molares: maceram, esmagam.
- Molares: trituram.

Temos, durante nossa vida, duas dentições:

Dentição decídua: com 20 dentes decíduos, também chamados dentes de leite.



Dentição permanente: com 32 dentes permanentes, também chamados definitivos.



Dentição mista: é a fase intermediária que corresponde ao período de transição entre dentição decídua e permanente, época da mudança dos dentes.Assim, a dentição mista tem início quando o primeiro dente decíduo cai e/ou o primeiro dente permanente nasce e define-se, como tal, até que caia o último dente de leite presente na boca.

Os molares permanentes não tem antecessor decíduo, eles nascem atrás dos últimos molares de leite. Os primeiros molares permanentes nascem por volta dos seis anos de idade, época do início da dentição mista.


Quantidade de Dentes

Em condições normais ou habitualmente as pessoas tem durante toda a vida um total de 52 dentes. Aos seis meses de vida começam a surgir os primeiros dentes e até os três anos a criança já tem 20 dentes que permanecem na boca entre 6 e 12, em que são gradativamente substituídos pelos 32 dentes permanentes.
Todos os 52 são dentes, porém um diferente do outro. Cada um de forma e tamanho diferentes. E entre dentes de leite e definitivos além de forma e tamanho
Existe diferesça de cor. Os dentes decíduos são mais leitosos e esbranquiçados que os permanentes.

  Voltar

 

CMF -  Avenida Ibirapuera, 3.493 - Moema - Tel. 5041-0820 / 5041-6851 -  Todos os direitos reservados. © Copyright 2004