Chupetas: onde e quando devem ser utilizadas

A chupeta entra em cena para complementar a necessidade que todo bebê possui de sucção e deve ser usada adequadamente, para que funcione como estímulo benéfico ao crescimento e desenvolvimento dos arcos dentários e, ao mesmo tempo, para que promova a satisfação emocional que o bebê tem ao sugar. Por isso, não recomendamos que a chupeta seja oferecida a qualquer sinal de desconforto, para acalmar o choro provocado por outro motivo, para lazer da criança -em substituição à atenção dos pais- e nem para apoio emocional.


Como deve ser usada a chupeta?

A mãe não deve deixar a chupeta na boca da criança, nem colocar mel ou líquido açucarado por sobre o bico, para torná-la mais atrativa. Deve ser usada de forma inteligente e racional, sendo que, nesse sentido, alguns exercícios são recomendados. Quando o bebê chora porque não fez sucção suficiente na hora da alimentação, a mãe deve estimular esta sucção, colocando a chupeta lentamente em contato com o lábio inferior do bebê e com toques leves, para que o bico seja umedecido e o bebê segure-o com a boca.

Quando começar a sugar, a mãe deve segurar a chupeta e puxá-la com movimentos leves para trás, como se fosse retirá-la da boca, de modo a estimular a sucção. Depois de fazer esses exercícios, por várias vezes, a musculatura da face deverá ter trabalhado o suficiente, a ponto de não mais estimular a criança ao uso da chupeta, e fazendo que, pelo cansaço, ela relaxe e durma.

Assim, a mãe não deixará a chupeta na boca do bebê por muito tempo, o hábito de não chupar chupeta não se instalará e o hábito de sucção de dedo será prevenido. Além disso, para manter a boca fechada e respirar corretamente pelo nariz, o bebê não deve dormir o tempo todo com a chupeta.


Como escolher a chupeta?

Ao recomendar o uso da chupeta de forma racional, é preciso também escolher o tipo de chupeta ideal, para minimizar os efeitos indesejáveis caso a criança passe a ter o hábito de chupar a chupeta.

Dessa forma, a chupeta deve ser a mais anatômica possível, a chamada ortodôntica, e o bico deve ser compatível com o tamanho da boca e a idade do bebê. Para os recém-nascidos, o bico pode ser de látex ou de silicone e, para os bebês prematuros ou os de baixo peso, o tamanho do bico deve ser adequado, a fim de não provocar um posicionamento incorreto da língua.

O disco deve ser de plástico firme e sempre maior do que a boca do bebê, para prevenir que a chupeta seja colocada inteira dentro da boca e para proporcionar vedação, impedindo que a criança coloque os lábios além da circunferência do disco.

Deve, ainda, ser recortado como um grão de feijão, para evitar uma conseqüente deformação na região anterior da arcada dentária e na base do nariz. Sugere-se que apresente no mínimo dois furos de ventilação grandes e opostos com uma distância do bico de 5 a 6 mm, para favorecer a circulação do ar no rosto do bebê e prevenir irritações na pele causadas pelo acúmulo de saliva.

Não é imprescindível que tenha argola, mas importante que apresente uma saliência, para que a mãe possa puxá-la para estimular o exercício de sucção ou para retirá-la da boca do filho.

Jamais dever ser amarrada ou pendurada ao redor do pescoço do bebê com fita, corrente ou fralda, pois, além de haver o risco de asfixia, pendurá-la e deixá-la acessível favorecerá a instalação do hábito. Para a segurança do bebê, o bico e o disco de plástico devem ser inspecionados freqüentemente para a detecção de qualquer sinal de deterioração. Se o bico estiver inchado, rasgado ou pegajoso, a chupeta deve ser trocada. Depois de cada uso, a mãe deve verificar se o bico está bem preso ao disco de plástico para evitar acidentes.


E se o uso da chupeta tornar-se um hábito?

O hábito de chupar chupeta poderá causar algumas alterações, como o contato errado dos dentes, o que resulta em desvios na mastigação, ocasionando dificuldades para comer e engolir. Vale lembrar que a posição da língua fica alterada, podendo ter repercussão na fala, e provocar o que se chama de Mordida Aberta (os dentes da frente superiores não tocam nos dentes de baixo).

Se o seu filho tem mais de 2 anos e adquiriu o hábito de chupar chupeta, sem derespeitar o ritmo e as necessidades psicológicas da criança, tente retirar esse hábito aos pouquinhos, fazendo exercícios de sucção.

  Voltar

CMF -  Avenida Ibirapuera, 3.493 - Moema - Tel. 5041-0820 / 5041-6851 -  Todos os direitos reservados. © Copyright 2004